terça-feira, 27 de setembro de 2011

Síndrome de Transfusão Feto-Fetal - Caso Clínico

Nesta última semana, tive um diagnóstico de Síndrome de Transfusão Feto-Fetal em meu consultório, e tive a felicidade de contar com a ajuda de um especialista para tratar a paciente. Recebi aqui em Fortaleza, o Dr. Fábio Peralta, da Unicamp, especialista em medicina fetal, que foi o responsável pela intervenção cirúrgica nos fetos.
O Dr. Fábio Peralta veio à Fortaleza na última semana e realizou a cirurgia de Laser.
A cirurgia foi um sucesso e mãe e fetos evoluem bem e com considerável melhora do quadro clínico.
Essa foi a primeira vez que uma cirurgia Intrauterina foi realizada no estado do Ceará.
Um marco sem dúvida e uma fonte de inspiração para todos nós.

Síndrome de Transfusão Feto-Fetal

A STFF (Síndrome de Transfusão Feto-Fetal) trata-se de uma patologia rara que acomete gestações gemelares que têm somente uma placenta, ou seja, gestações monozigóticas (gêmeos idênticos).
Devido a formação de conexões entre os vasos (artérias e veias) que pertencem aos dois fetos, um dos fetos funciona como doador e o outro como receptor. Assim um feto perde sangue para o outro, como consequência, o doador fica anêmico e com crescimento restrito, e o outro fica com policitemia (excesso de sangue) e por isso fica com excesso de líquido em todo o corpo, como: coração, pulmões e abdômen.
Por algum tempo, o equilíbrio consegue ser mantido, mas rapidamente os fetos começam a sofrer, um pela falta de sangue e o outro pelo excesso.
Uma intervenção cirúrgica torna-se extremamente necessária para evitar a morte dos fetos.
A principal e melhor opção é o uso do Laser para queimar os vasos sangüíneos que apresentam a conexão errônea. Essa técnica pode salvar a vida dos fetos, porém tem seus riscos e pode provocar a perda dos fetos ou seqüelas neurológicas. Com a cauterização correta dos vasos causadores do transporte anormal de sangue entre os fetos, a doença fica estabilizada e ocorre a regressão das alterações fetais, o que permite que a gravidez evolua e chegue ao tempo certo.
Uma patologia não tão comum, com um tratamento complexo e que necessita de um seguimento rigoroso.