sábado, 28 de janeiro de 2012

DIP - Doença Inflamatória Pélvica - Ameaça Silenciosa


 A DIP, doença inflamatória pélvica, é uma doença silenciosa, pouco diagnosticada, pouco tratada e muito séria, sendo a principal causa de infertilidade feminina no Brasil, além de causar dor pélvica crônica em muitas mulheres. Esta temível doença é causada por bactérias que podem ser transmitidas por via sexual, como a clamídia e o gonococo (causador da gonorréia).

Geralmente se inicia com leves dores pélvicas, desconforto nas relações sexuais, uma menstruação mais dolorosa e nos casos mais graves pode levar a quadros de intensa dor pélvica, com presença de abscessos pélvicos (coleções de secreção purulenta), o que pode levar a um quadro de infecção generalizada, a temível septicemia.

O grande problema desta doença é o diagnóstico tardio e o tratamento inadequado, isso algumas vezes acontece pela demora em procurar um tratamento médico, pois os sintomas iniciais são em geral encarados como passageiros, por serem leves e inespecíficos, o que pode ser confundido com várias dores pélvico-abdominais leves, como uma diarréia, ou uma cólica menstrual mais forte. Além disso, a falta ou dificuldade de acesso à saúde, um problema crônico em nosso país, contribui em muito para retardar o correto tratamento desta doença.

Como conseqüência, muitas mulheres não são corretamente tratadas e acabam tendo suas trompas de falópio afetadas pelas bactérias causadoras desta patologia. Uma vez afetadas as trompas sofrem alterações definitivas, que vão desde perda de sua mobilidade, até sua obstrução, levando à infertilidade.

Uma vez obstruídas, as tropas perdem sua capacidade de ligação entre útero e ovários, está assim instalada um quadro de infertilidade, o qual não pode ser revertido naturalmente, sendo necessário para tal a realização de uma FIV (Fertilização in Vitro).

Portanto, torna-se fundamental o correto e rápido diagnóstico desta patologia, assim como o seu tratamento adequado.

40 comentários:

  1. Como sempre Dr. Daniel nos mantendo bem informadas. Parabéns pelo tema abordado. É muito bom saber.
    Joraya Sonara

    ResponderExcluir
  2. Dr. Daniel, Minha atual namorada fez uma cirurguia de apendicite com complicaçoes, depois foi constatado que ela também estava com DIP, está tudo bem agora e fiquei sabendo que ela possivelmente pegou essa doenca de mim. Como posso estar doente e nao ter tido sintomas nenhum de Gonorreia e Clamidia? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em resposta ao anônimo de 08/12/12.
      No homem a presença dessas bactérias é muitas vezes assintomática, por isso o perigo desta doença em termos de fertilidade, se ela teve DIP, vc tb deve realizar um tratamento para essas bactérias.

      Excluir
  3. Fui ao Urologista depois de ler sua resposta, segundo ele, seria inútil fazer o exame de cultura conforme solicitado pela Médica da minha namorada e sofrer as dores do exame de cultura, por isso ele me passou o tratamento com AZITROMICINA 1 MG. E uma injeção de CEFTRIAXONA. O Senhor acha que com esse tratamento eu estaria livre dessas bactérias? Eu fiz esse tratamento essa semana, quando vou poder ter relações com minha namorada? Ela ficou vários dias internada, tomou muitos antibióticos para controlar essa doença. Muito obrigado e Feliz Natal.
    Roberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Roberto.
      Provavelmente estaria curado.
      Espere 15 dias antes de voltar a ter atividades sexuais.

      Excluir
  4. Dr. Daniel,

    Há quase um mês venho sentindo dores muito forte no pé da barriga e na parte inferior da coluna, a principio os medico suspeitava de calculo Renal, assim recomendou uma ultras do abdome total, porém não tivemos nenhum indicio das pedras em seguida fui a outro profissional onde o mesmo suspeitou de DIP, de imediato foi recomendado uma ultaV.,a qual tambem nao tivemos nenhum indicio da doença. no entanto o mesmo passou três variações de remédio (ceftraxona 250, doxicilino 100 e metrrnidatol de 250 todos a serem tomados 2xdia), passado-se uma semana do uso dos remédios assim indicado pelo médico ainda sinto muita dores e tanto no abdome quanto nas costas e o que mais me preocupa no momento é um ardor , um corrimento e um bolhas embranqueça-das. A minha pergunta é simples, isso pode ser a DIP?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em resposta ao anônimo de 30/01/2013.
      Pode ser DIP, o diagnóstico dessa doença é clínico, ou seja, se faz pelo exame físico......procure outra opinião. outro especialista.

      Excluir
  5. Bom dia Dr. Daniel,

    Eu tenho tido umas dores na zona da trompa do lado esquerdo, e o medico disse que era DIP, tomei os medicamento por 14 dias, e hoje foi o último dia. mais as dores permanecem.e parace que cada dia piora. o que sera que pode ser? e estou a tentar engravidar, mais o médio disse que esta tudo bem com o meu utero e o check genecoligico que fiz nao mostra nehuma anomalia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em resposta ao anônimo de 10/04/2103.
      Pode ser que vc ainda tenha bactérias, e que precise usar mais antibióticos. Procure um especialista.

      Excluir
  6. Olá Dr. Daniel, tudo bem??? Fui ontém ao ginecologista; porque venho tendo infecção urinária de repetição com frequência e precisava ter certeza de que não tinha nenhuma causa ginecológica ligada a isso. Estou com um corrimento abundante, porém não coça é meio amarelado e não dei muita bola para isso, mas mesmo assim por causa das infecções urinárias decidi procurar o ginecologista. Porém após ele fazer o toque vaginal estou com dor em baixo ventre do lado direito mais especificamente, só que tenho algumas cirurgias prévias, apendicite, e colectomia por doença de crohn(na qual com o tratamento que estou fazendo ela está se comportando bem), fazia muito tempo que eu não tinha dores assim(isso pode ser por aderência, ou pode ser sinal de DIP???). De acordo com a inspeção ginecológica meu ginecologista receitou: Clindal AZ em dose única e Deprozol em comp. de manhã e um a noite(secnidazol) além do creme vaginal Ginec para utilizar durante 12 dias!!! Sou sexualmente ativa....mas minha frequência sexual é de mais ou menos 20 em 20 dias, pois eu e meu namorado moramos longe um do outro. Estou namorando meu atual namorado a dois meses e todas as nossas relações sexuais foram com uso de camisinha, sem nenhuma exceção. Porém meu namorado anterior a ele eu já estava a um ano junto e de outubro a novembro de 2012 tivemos relação sem camisinha o mês todo....após isso por motivos nossos terminamos a relação no final de novembro.....e até fevereiro fiquei sem ninguém e sem ter relação sexual com ninguém. Com meu atual namorado comecei a ter relação sexual faz mais ou menos um mês. Diante disso que comentei, e do tratamento que meu ginecologista passou posso estar desenvolvendo DIP??? Muito obrigada pela atenção!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em resposta ao anônimo de 13/04/2013.
      Pode ser DIP.

      Excluir
  7. dr daniel depois de ser curada da dip poso engravidar?

    ResponderExcluir
  8. em resposta ao anônimo de 18/05/2013.
    pode sim.....

    ResponderExcluir
  9. Dr.,
    Fiz o exame de papanicolau e apresentei um corrimento. O médico me indicou o tratamento de Clindal AZ, q comp. por dia, porém logo no primeiro de medicamente me deu forte dor de barriga. O que eu faço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. em resposta à anônima de 27/05/2013.
      procure seu médico para trocar a medicação.

      Excluir
  10. Oi Dr. eu tive doença inflamatória pélvica, Tratei com antibióticos, mas tenho DIU.
    Tratei mas depois de todas relações eu sentia dores cronicas no lado direito, como uma pontada. procurei médicos, ele dizia que eu não tinha nada.
    Mas como sentia muitas dores tirei o diu, passou dois meses coloquei o Diu de novo! Faz 15 dias que coloquei, e depois que coloquei o diu sinto dores, e vontade de urinar com frequência mas não tenho infecção de urina! Estou em tratamento com um medico muito bom, mas não passa, oque pode ser? oque eu faço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Isabella.
      Pode ser infecção genital ou não adaptação ao diu......veja com seu médico a possibilidade de não usar mais diu.

      Excluir
  11. Olá,Dr Daniel, parabéns pelo Blog, acho q muitas de nos mulheres sofremos muito com dúvidas enquanto nao conseguimos nos consultar pois as consultas as vezes demoram meses e as emergencias estao sempre tao lotadas e ainda corre-se o risco do médico da emergencia não saber abordar as causas ginecologicas. No meu caso eu sempre tive uma saude intima boa, sempre fiz meus preventivos e culturas vaginais periodicamente, tudo normal. Decidi colocar um DIU em Fevereiro desse ano e aí se iniciou meu suplicio. Em Maio comecei a sentir dores em baixo ventre e fiz um USG e o DIU estava fora do lugar (baixo, se inserindo no orificio cervical interno) e nesse exame mostrava liquido em endométrio. Retirei o DIU no outro dia, mesmo sem estar menstruada, porém a médica não receitou antibioticos mesmo vendo o liquido no endometrio. veio minha menstruação na outra semana e na outra semana comecei a sentir dores no flanco direito irradiando pra as costas. achei q fosse uma apendicite, fiz uma tomo com contraste e mostrava liquido livre na cavidade pelvica e apendice normal. a medica que colocou e retirou meu DIU me afirmava que nao era nada relacionado ao DIU. Um cirurgiao me diagnosticou com DIPA, a forma aguda da DIP, e eu tomei uma dose de azitromicina, metronidazol 250 por 14 dias e ciprofloxacino de 12 em 12 h tambem por 14 dias. As dores melhoraram, a USG não mostra mais líquido nem na pelve nem no endometrio, meus leucocitos que chegaram a 14200 já baixaram para pouco mais de 10000. Estou muito indignada com essa ginecologista que colocou e tirou o DIU. Desculpe a extensão do comentário! Mas a minha dúvida realmente é que ainda sinto um desconforto do lado direito, as vezes em queimação. Isso pode ser devido ao processo de cicatrização ou ainda corro o risco de ter ainda bactérias me atacando,mesmo com os exames mostrando melhora...outra dúvida é se devo emendar uma cartela de anticoncepcional na outra para não menstruar e assim atrapalhar o processo de cicatrização? desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana.
      essa dor pode representar várias coisas, mas para saber exatamente vc deve ser examinada por um ginecologista. Tomar anticoncepcional não tem relação alguma com cicatrização.

      Excluir
  12. Há dois meses tive um aborto retido, primeira gravidez, estávamos muito felizes, entretanto quando fiz o primeiro ultrassom foi constatado que meu bebe não possuía batimento cardíaco, esperei uma semana, repeti o ultrassom, e não teve jeito, precisei fazer uma curetagem. Os dois primeiros dias após a curetagem foi tudo bem, mas no terceiro dia, eu tive fortes dores e sangramento com coágulo, a médica disse para tomar um anti-inflamatório (biprofenid) que logo tirou a dor e diminuiu o sangramento, mas tive alergia ao medicamento, tentei outro anti-inflamatório (feldene), mas também deu alergia, tive que parar definitivamente com os anti-inflamatórios. A médica pediu para que eu começasse com o anticoncepcional, nesse meio tempo, mudei de médico porque perdi totalmente a confiança na médica que fez a curetagem. Esse novo médico pediu para que eu parasse com o anticoncepcional, eu parei, tive sangramento novamente, ele disse que se isso acontecesse era para eu tomar o methergin durante 4 dias.
    O sangramento parou, mas a dor continuou, liguei para o médico e ele me disse que era para passar um creme (ginopletil) e tomei fluconazol por conta própria, mas logicamente a dor não passou.
    Liguei para ele novamente e disse que estava com dor, a secretaria disse que não tinha como me encaixar numa consulta de emergência, então fui ao 24 horas, pois não aguentava de dor, lá eles fizeram exame de sangue, urina, ultrassom e até chamaram o ginecologista de plantão, que me examinou. Não deu nada de errado no ultrassom, nem na urina, no exame de sangue, os leucócitos estavam em 14900, no exame ginecológico deu tudo normal, havia corrimento, mas estava sem cheiro. Segundo o médico de plantão, ele não viu nada grave e me deu um antibiótico (Proflox) por 7 dias. 4 dias depois fui me consultar com meu médico, mas ainda estava com dor, esse antibiótico não resolveu o problema. Ele observou o mesmo que o médico de plantão, nada grave, mas disse que ia fazer o tratamento completo para doença inflamatória pélvica, me receitou mais dois antibióticos e um remédio para provocar a menstruação.
    Fiz essa curetagem num hospital de uma cidade pequena, não muito confiável, mas como me disseram ser esse um procedimento tranquilo, não me preocupei.
    Estou aqui, desesperada, me preparei para ter o bebe, sou uma pessoa extremamente cuidadosa, não me conformo com tudo o que aconteceu.
    Me disseram que essa doença leva a infertilidade ou a uma futura gravidez ectópica, estou com medo e precisando desesperadamente de ajuda. Vocês têm como me ajudar? Estou tomando antiótico há duas semanas, é normal ainda sentir dor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. em resposta à anônima de 14/07/2013.
      A DIP pode levar a isso mesmo, mas é difícil saber o que está acontecendo com vc sem lhe ver....assim acho que vc deve procurar um especialista para esclarecer tudo. Boa sorte.

      Excluir
    2. Ola Dr. Daniel tudo bom ?
      Gostei muito do seu blog e venho a pedir sua ajuda,marquei consulta a um ginecologista mas vai demorar um pouco entao queria saber oque fazer até o dia, então o fato é tive relação com meu namorado semana passada sem preservativo e nesse domingo tivemos denovo e sem também e houve a ejaculação a qual ficamos muito preocupado e compramos a pilula do dia seguinte,eu fui dormir e logo após acordar cerca de 9:50 tomei a pilula lá pras 10:30 houve um escorrimento de um liquido claro e com cheiro forte,fui tomar banho, apos as 12 hrs tomei a segunda dose e fui dormir, no meio da madrugada acho eu que umas 2:00 acordei e vomitei muito fiquei a manhã vomitando até que melhorou,
      na quinta-feira tivemos outra relação e dessa vez com preservativo e no meio da relação senti fortes dores no pé da barriga e antes também da penetração senti ardência na área próxima ao clitóris enfim paramos e a dor só passo quando fui dormir, na sexta-feira(19/07)lá pras 14:00 eu menstruei era para vim no domingo e lá pras 19:30 eu tive diarreia ai comecei a procurar na internet sobre o meu sintomas e vi que são semelhantes a DIP, Dr. queria sua ajuda pra saber oque fazer e se estou mesmo com essa doença
      Obs: Não tomo nenhum anticoncepcional
      Obrigado,

      Excluir
    3. em resposta à anônima de 20/07.
      Impossível dizer algo sem lhe examinar, vá a um especialista.

      Excluir
  13. Ola..
    Fiz. uma usg e deu q eu estava com dip, mas tava tudo normal no exame, o unico problema era a dip.
    fiz tratamento cm antibioticos, vai demorar pra eu engravidar?

    Boa noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. depende de quanto a dip afetou suas trompas, faça uma histerossalpingografia e veja com elas estão.

      Excluir
  14. Boa noite, gostaria que o Doutor tirasse uma duvida .
    Eu coloquei um Diu dia 23 setembro, quando fui fazer uma ultra um mes depois estava fora do lugar, eu fui imediatamente ao medico e ela fez a retirada, mais durante o mes que eu utilizei o Diu, saiu um muco elastico e fiquei mestruada mais de 20 dias , quando retirei a medica falou que eu estava com inflamacao pelvica , eu gostaria de saber se tomando antibioticos vai curar a inflamacao, e se tem outros riscos como infertilidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cura sim.
      se a infecção chegou nas trompas vc poderá ter dificuldades de engravidar.

      Excluir
  15. Ola dr. Daniel parabéns pelo blog. Dr a 7 anos a atrás tive Dip tomei muitos antibióticos. Agora voltou novamente fiz tomo, exame de sangue de urina, ultrassom, transvaginal, muitos médicos me examinaram, uns diziam que era pénicite depois eles viram que era Dip. já estou com 43 anos, queria saber se tem condições dessa doença volta de novo, já sou ligada a 13 anos. Depois que tomei seis qualidades de antibióticos fiquei oito dias menstruada com muito fluxo. A pergunta é tem condições de eu ter pegado essa doença do meu esposo ? A médica pediu uma transvaginal novamente sendo que a outra não deu nada o que deu pra ver foi a tomo com contraste. Obrigada pela paciência . Fortaleza - CE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem sim.
      a dip pode vir de transmissão sexual com certeza.

      Excluir
  16. Dr, ao que parece, tive dip, segundo meu ginecologista. Fiz tto c azitromicina, metronidazol, fluconazol, doxiciclina, ate ceftriaxona im... eu tinha um corrimento meio amarelado de cheiro forte, dor durante a relaçao (nao em tds as posiçoes), e umas colicas bem discretas, que eu nem sei referir se eram intestinais ou uterinas... porem nunca tive febre, dor ao urinar, ardor...
    fiz varias us... algumas apresentaram liquido em fundo de saco. a ultima, dps de tds esses medicamentos, n apresentou liquido em fundo de saco.
    hj percebo melhora do corrimento. o que aparece eh bem discreto, mas acredito ser um corrimento normal.
    as vezes tenho pequenas colicas, q, as vezes, qdo libero gases aliviam, mas q continuo sem identificar de onde vem... e continuo fazendo pouco xixi, como sempre foi desde quando tive minha 1a infecçao urinaria, por volta dos 15 anos...
    o senhor acha q ainda posso ter dip?

    ResponderExcluir
  17. ola boa tarde fiquei entenada por 3 dias e o medico falou que estou com dip qual e o tratamento adequado para fazer por que eu sinto muita dor me ajude a tratar dessa doença

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. uso de antibióticos..por aqui não posso lhe tratar, procure um especialista.

      Excluir
  18. ola estou com dip posso ter pegado do meu esposo.

    ResponderExcluir
  19. ola estou com dip posso ter pegado do meu esposo.

    ResponderExcluir
  20. ola estou com dip posso ter pegado do meu esposo.

    ResponderExcluir
  21. ola tenho dip posso ter pegado do meu esposo.e si a resposta for sim quero saber como ele possa ter pegado pra passar pra mim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a dip é pode ser causada por vários tipos de bactérias, umas com transmissão sexual e outra não.

      Excluir