terça-feira, 8 de maio de 2012

Síndrome de Hiperestímulo Ovariano - SHO

Ovário com múltiplos folículos - Visão Ultrassonográfica


A síndrome de hiperestímulo ovariano ou síndrome de hiperestimulação ovariana (SHO) é uma das complicações  mais temidas, se não, a mais temida dos tratamentos de reprodução assistida.

Esta síndrome está relacionada a uma resposta exagerada dos ovários (pelo excesso de produção de estrógeno e/ou pelo número de folículos recrutados) durante a fase de estímulo ovariano, seja nas induções de ovulação para coito programado, seja nos tratamentos de maior complexidade, como inseminação intrauterina ou FIV (fertilização in vitro).

A ocorrência desta síndrome varia de acordo com o tratamento realizado, variando de 2,5% em induções simples de ovulação até 23% em casos de fertilização in vitro.

Esta complicação ocorre com mais freqüência em pacientes jovens e magras, que em geral tem uma melhor resposta ovariana, assim como nas pacientes com SOMP (síndrome dos ovários micropolicísticos) provavelmente devido ao excesso de folículos que estas pacientes possuem em seus ovários.

O excesso de estrógeno produzido pelos ovários leva, por meio de mediadores químicos, a um aumento da permeabilidade capilar (isto é: as paredes dos vasos sangüíneos deixam escapar o líquido sangüíneo de dentro do vaso para fora do mesmo) e assim ocorre o acúmulo de líquido sobretudo em abdômen, pulmões e até coração, o que em casos graves pode provocar hipotensão (queda dos níveis pressóricos), distúrbios na coagulação e  insuficiência renal, um quadro grave em que os rins param de funcionar, provocando um verdadeiro desequilíbrio no correto balanço hidroeletrolítico do corpo humano. Além disso, ocorre o aumento do volume dos ovários, causando desconforto abdominal e em casos mais sérios até torção ovariana, causando a necrose do ovário (falta de irrigação).

Diversos mecanismos podem ser utilizados, hoje, para prevenir e atenuar esta síndrome, como o uso de doses menores de gonadotrofinas (hormônios usados na estimulação ovariana), o uso de outras medicações que antagonizam os efeitos nocivos do excesso de estrógeno e a utilização de diferentes estratégias, como, por exemplo, postergar a transferência dos embriões para um ciclo posterior (pois o embrião também libera hormônios que aumentam ainda mais os níveis de estrógenos).

Com o uso destas opções é possível evitar os casos mais graves, fazendo com que hoje tenhamos uma incidência bem menor dos mesmos, ficando esta síndrome muitas vezes restrita a casos leves e moderados.

Porém, todo cuidado é preciso no manejo desta complicação.

12 comentários:

  1. Dr. há 9 anos venho tratando desta sindrome com anticoncepcionais, mais quando paro a medicação a menstruação atrasa e a 2 anos tento uma gravidez e não consigo, ja fiz vários exames e não acusa nada além da sindrome.meu marido fez espermograma e esta tudo ok.tenho 28 anos não tive filhos ainda, gostaria de saber se a sindrome causa infertilidade, há outro tratamento a não ser com anticoncepcionais?

    ResponderExcluir
  2. Em resposta ao anônimo de 01/04/2013.
    Vc deve ter SOMP, ovários micropolicísticos, e não SHO.
    Leia mais neste blog, vc deve procurar um especialista e realizar exame hormonais e para ver suas trompas, a SOMP pode causar infertilidade.

    ResponderExcluir
  3. Sou doadora estou no oitavo dia de indução com puregon 200UI, hj entro com cetrotid e domingo com lupron, no ovário direito tem 16 folículos, como posso evitar a síndrome???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em resposta ao anônimo de 11/04/2013.
      Vc deve conversar com seu médico, existem várias estratégias para evitar esta síndrome.

      Excluir
  4. ja tive endometrioma bilateral, hj tratado com allurene e não tenho mais sintomas. Meu marido é azoospérmico obstrutivo e preciso da FIV. Já tive cisto hemorrágico também em ambos os ovários. Há mais chances de eu ter a SHO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lailoca.
      Não, por esses fatores vc não tem risco aumentado para SHO.

      Excluir
  5. Doutor, meu marido tem baixa produção de espermatozoides e eu ovulo todo mês normalmente posso tomar algum indutor tipo (serophene) para ajudar a fecundar o óvulo?

    ResponderExcluir
  6. Dr, fiz minha primeira fiv e tive SHO a ponto de ter sido necessária minha internação pois tive dificuldades com a respiração. Gostaria de saber se numa segunda tentativa de fiv é possível que eu tenha novamente SHO ou esse problema pode ser evitado com sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc pode ter novamente, vai depender da quantidade de medicações que vc fará e das medidas que serão usadas para evitar a SHO, mas hoje existem muitas formas de se evitar a SHO.

      Excluir
  7. Boa tarde,
    estou fazendo tratamento com indux, mas minha médica não passou a US, estou sentindo uita dor que não consigo andar direito, ela disse que é normal da ovulação, mas fiquei preocupada será melhor ir a um hospital? Desde já agardeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. melhor fazer us, nunca se deve induzir ovulação sem controle com US.

      Excluir