segunda-feira, 19 de maio de 2014

Gordura Trans afeta Fertilidade Masculina

A gordura trans, tão combatida e extremamente prejudicial à saúde, por aumentar os níveis de colesterol e elevar o risco de arteriosclerose, infarto e acidente vascular cerebral, é o nome dado à gordura vegetal que passa por um processo de hidrogenação natural ou industrial,  sendo muito usada pela indústria alimentícia. Começou a ser usada em larga escala a partir dos anos 1950, como alternativa à gordura de origem animal, conhecida como gordura saturada. Acreditava-se que, por ser de origem vegetal, a gordura trans ofereceria menos riscos à saúde. Mas estudos posteriores descobriram que ela é ainda pior que a gordura saturada. 
Em geral, as gorduras vegetais, como o azeite e os óleos, são bons para a saúde. Porém, quando passam pelo processo de hidrogenação ou são esquentadas, as moléculas são quebradas e a cadeia se rearranja. Essa nova gordura é que vai fazer todo o estrago nas artérias e é ela que vai fazer com que os alimentos fiquem saborosos, crocantes e tenham maior durabilidade (batatas chips, por exemplo).

No últimos anos, pesquisas tem demonstrado que o consumo excessivo de alimentos com gordura trans pode afetar a fertilidade masculina.
Baseado nestes dados, pesquisadores de Harvard, nos Estados Unidos, publicaram um estudo na Human Reproduction, revista da Sociedade Européia de Medicina Reprodutiva e Embriologia, no mês de março de 2014.

Os resultados deste estudo demonstraram que homens que tiveram uma alimentação com maior consumo de gordura trans (primariamente derivada de batatas fritas e outros tipos de batatas artificiais) apresentaram diminuição da quantidade e da movimentação dos espermatozóides, além de terem tido também uma redução do volume do ejaculado e dos níveis do hormônio masculino (a testosterona). 
Todas essas alterações levaram a uma diminuição da fertilidade neste grupo de homens analisados por este estudo. 

Esta pesquisa demonstra mais um efeito negativo de uma alimentação inadequada e desbalanceada na fertilidade humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário