quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Estilo Vida interfere nos Tratamentos de Reprodução Assistida


O estilo de vida influência nossa saúde e bem-estar como um todo, somos reflexo do que comemos, bebemos e fazemos no nosso dia-a-dia. Nossa fertilidade, também, é reflexo direto disso.

Baseado nestas afirmações, pesquisadores de Auckland, na Nova Zelândia, realizaram uma pesquisa com 250 mulheres entre 20 e 43 anos que se submeteram a uma fertilização in vitro, avaliando as relações entre o estilo de vida e os resultados nesses tratamentos. Mais ainda, tentaram analisar nessas mulheres inférteis o que poderia ser comum entre as mesmas, o que poderia ter contribuído para que as mesmas estivessem realizando um tratamento para engravidar. Os dados desta pesquisa foram publicados em julho de 2015 na Human Reproduction, a revista da ESHRE (Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia).

Foram encontrados os seguintes dados: altas taxas de consumo de álcool (50,8%) e de consumo de cafeína (86,8%), apesar que, não foi encontrada nenhuma relação entre o consumo de cafeína e piores resultados nos tratamentos. Já aquelas mulheres que reduziram ou pararam de consumir álcool tiveram um aumento de duas vezes nas taxas de resultados positivos.

A maioria das mulheres não mudou seu hábito de atividade física ou teve diminuições no IMC (o índice de massa corporal) indicando que mesmo sabendo dos malefícios do excesso de peso e da falta de atividade física, a maioria não teve iniciativa de mudar seu estilo de vida. Isso com certeza interfere negativamente nos resultados positivos da reprodução assistida.

Como conclusão, muitas mulheres que se submetem aos tratamentos de infertilidade tem um estilo de vida ruim e este fato afeta negativamente suas chances de atingir uma gravidez.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Preservação da Fertilidade: Falta Informação



Nos dias atuais, a popularização das técnicas de reprodução assistida permite com uma segurança alta a preservação da fertilidade, quando esta é necessária por diversos motivos.


As técnicas de congelamento de óvulos, espermatozóides e embriões permitem a homens e mulheres uma garantia importante na preservação de suas fertilidades para o futuro. As indicações são diversas, desde pessoas que se submeterão a tratamentos para cânceres, como quimioterapia e radioterapia (tratamentos que tem grande potencial em destruir óvulos e espermatozóides), até os homens e sobretudo mulheres que por um motivo ou por outro, não desejam concepção até atingir idades mais avançadas, como por exemplo, após os 35 anos. Lembrando que após os 35 anos a redução da fertilidade feminina acontece rapidamente e que após os 37/38 a fertilidade cai em queda livre, após os 40 anos as coisas ficam realmente complicadas. Toda essa perda de fertilidade pode ser resolvida com o congelamento precoce de gametas, mas para isso é preciso haver uma conscientização concreta não só dos pacientes, mas dos próprios médicos.

Baseado nesses dados, pesquisadores holandeses, realizaram um estudo e o publicaram em julho deste ano na Human Reproduction, a revista da Sociedade Européia de Reprodução Humana.

A pesquisa demonstrou que com a devida orientação, a maioria das pacientes entendeu a importância de preservação de suas fertilidades, no caso específico deste estudo, previamente a tratamentos para doenças malignas, além disso esta pesquisa observou que as principais razões para o desejo de preservar a fertilidade, foram o desejo futuro de ter filhos e a compressão da queda da fertilidade após uma quimioterapia ou radioterapia.

Diante disso, vemos que se bem informadas, a grande maioria das pacientes apostaria no congelamento de suas células reprodutivas. Isso é muito, mas muito importante, sobretudo quando levamos em consideração o desejo de se postergar a gravidez após os 35 anos de idade femininos.

Preservar a fertilidade é algo real e possível, basta ter as informações corretas e querer. A medicina reprodutiva está aí pra nos ajudar.

sábado, 8 de agosto de 2015

Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida



 Finalizado, hoje, o XIX Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida, realizado em Búzios, Rio de Janeiro. Trata-se do maior encontro do país na especialidade, permitindo desde o último dia 05 uma intensa troca de experiências e informações, sempre na tentativa contínua da busca de respostas para tantas questões.